Em 12 de agosto de 1985, o voo JL123 da Japan Airlines, que partiu de Tóquio rumo a Osaka, sofreu uma falha catastrófica em um dos motores pouco depois da decolagem. A tripulação tentou retornar ao aeroporto de origem, mas o avião acabou se desintegrando e caindo em uma montanha a sudoeste de Tóquio. Das 524 pessoas a bordo, apenas quatro sobreviveram - a pior tragédia da aviação japonesa e a maior morte por acidente aéreo em um único voo até hoje.

O acidente foi causado por um erro de manutenção cometido sete anos antes, quando o avião sofreu danos em um pouso difícil e a fuselagem precisou ser reparada. No entanto, a equipe de manutenção não seguiu as diretrizes adequadas do fabricante (Boeing), que exigia a substituição de toda a seção danificada em vez de apenas uma parte dela. Como resultado, a parte reparada da fuselagem acabou sofrendo uma fadiga de metal e se rompeu durante o voo.

Outros fatores que contribuíram para o acidente incluíam a falta de comunicação adequada entre a tripulação e o controle de tráfego aéreo, bem como um treinamento insuficiente dos pilotos para lidar com falhas tão graves em alta altitude.

Após o acidente, uma investigação minuciosa foi realizada e descobriu-se que a Japan Airlines tinha um histórico de violações de segurança e regulamentações de aviação. A companhia aérea foi forçada a rever e melhorar suas práticas de manutenção e treinamento de tripulantes, bem como a implementar novos procedimentos de segurança.

Além disso, a investigação do acidente do voo JL123 levou a uma variedade de importantes mudanças nas práticas de segurança de voo em todo o mundo. A descoberta de que um único erro de manutenção poderia causar um desastre tão horrível levou a uma conscientização renovada sobre a importância da manutenção adequada das aeronaves e sobre a necessidade de aumentar a atenção às normas e diretrizes do fabricante.

Desde então, a segurança de voo se tornou uma prioridade ainda maior para as companhias aéreas e reguladores em todo o mundo. Os acidentes de avião tornaram-se muito mais raros e as viagens aéreas tornaram-se mais seguras do que nunca.

Em conclusão, a queda do voo JL123 da Japan Airlines foi uma das maiores tragédias na história da aviação comercial. O acidente foi causado por um erro de manutenção cometido anos antes, mas que teve consequências catastróficas para centenas de passageiros e tripulantes. A investigação subsequente levou a importantes mudanças nas práticas de segurança de voo em todo o mundo, tornando as viagens aéreas mais seguras e confiáveis para todos.